7.3.11

Uma mulher séria

O que é uma mulher séria? Vi há pouco esta expressão num blog que costumo ler. Lá onde a li dizia que uma mulher séria não diz asneiras, não apanha uma bebedeira, não vê filmes pornográficos, não dorme com estranhos. Será? O que é que faz duma mulher realmente séria?

12 comentários:

doce laranja amarga disse...

Um mulher realmente séria é aquela que, no mínimo, tenta não se enganar a si própria.

Isa disse...

É aquela que vive da sua verdade.

E puta que pariu à verdade alheia.

provocação disse...

Não são sérias aquelas que são conforme vêem ser e conforme saibam que serão melhor recebidas de acordo com os costumes gerais. Não são sérias porque no fundo são uma projecção, uma mentira. De resto, a dada altura todos somos por um ou outro motivo pouco sérios, a pressão é sempre demasiada.
Claro que depois vai um grande passo até sermos pessoas mais evoluídas que não se deixam empobrecer pelo "eu sou assim, azar" que justifica muita acçãozinha menor e não é evolutiva do próprio ser. Um alcoólico não passa a ter mais personalidade por se afastar das doses desejáveis nem uma verborreia agressiva passa a ser justificada só porque quem a pronuncia é assim e azareco. Isto dito por alguém que não se inibe de praguejar mas inibe os outros de terem de ser atingidos com as minhas fúrias verbais. Passei a perceber isto depois de ter uma colega que passava a vida a dizer "ai o caralho" e no fundo até podia estar a dizer "ai a vassoura", o que incomodava era ela desrespeitar a concentração dos outros amiúde para exteriorizar uma chatice que não resolvia, isso era tão chato. Quando lhe disse "foda-se Susana cala-te lá com o caralho que já chateia" respondeu: "que é que foi, não se pode dizer asneiras?"- no fundo ela estava tão cismada que a asneira era o elemento proibido que não reparou que o que incomodava era a atitude. E isto aplica-se ao resto das questões de seriedade.

jacklyn disse...

Desde há uns tempos para cá custa-me pronunciar-me sobre isto pois vi-me numa situação que me descaraterizou. Ruí como um castelo de areia e a reconstrução é tudo menos fácil. É que eu, para todos os efeitos, não sou uma mulher séria. Procuro não me enganar enquanto engano tantos outros, daí que posso dizer que não sou séria. E esta merda dói-me cumó caralho.

Isa disse...

Tu só podes estar a brincar ca gente pá ... tomara tantas e tantas que por aí populam as fileiras da suposta seriedade, terem sequer um décimo da tua gaja.
Começa-se por sermos honestas pra connosco.Ser-se "sério", não nos isenta de errarmos, sabias? O caralho é que te descaracterizou. Ensinou-te, quando muito. Ensinou-te.

Bípede Falante disse...

Para mim, essa é a definição de uma mulher chata!

grassa disse...

Caga nas mulheres sérias, e foca-te em seres uma mulher a sério.

provocação disse...

Jacklyn, estás (acho) a confundir as coisas. A seriedade não está sempre nos actos que não se conseguem evitar tantas vezes, está na nossa capacidade de nos avaliarmos e pensarmos se estamos a ser honestos com a nossa verdadeira essência. Eu fiz coisas que para a maior parte das pessoas seriam correntes e que a mim ficaram entaladas, posso-te dizer que já virei costas a uma pessoa e toda a gente me deu imensa razão que faria o mesmo e pior, mas aquilo nunca foi engolido por mim apesar de ter sido eu a agir. Pior, sou incapaz de me redimir. Sou uma pessoa pouquíssimo séria como podes ver, apenas me agarro ao facto de saber que o que fiz foi erradíssimo, não me perdoo ou sequer justifico, por outro lado não sou capaz de perante a pessoa assumir a minha falha, daí que te digo que quanto a mim somos todos a dada altura pouco sérios ou menos correctos e o que sobra é a capacidade de nos enfrentarmos. Pessoalmente detesto aquele tipo de pessoa que passa a vida a lamber-se e a auto-elogiar-se, que nunca pára para pensar: "será que não estou a ser idiota?"
E é isto, só o facto de pensares acerca da tua postura em coisas na tua vida já é mais que o que a maioria faz a vida inteira. O aprofundar a partir daí é que começa a ser o desafio.

Pedro Almeida disse...

Para mim o que torna uma mulher séria são as agruras da vida...e mais não digo.

jacklyn disse...

Podemos dizer o que quisermos, podemos até encontrar justificações perfeitamente válidas para os nossos actos, podemos mesmo dizer que foi por amor. Contudo, filtradas as emoções e aplicada a realidade, não deixa de ser errado. Só que há o errar não se sabendo e há o errar sabendo que se está a errar. Aí, lamento, mas penso que a seriedade se perde. E eu, sempre soube perfeitamente o que estava a fazer. Mas nada disto que acabo de explicar significa que me tenha arrependido. Outra boa merda.

doce laranja amarga disse...

Percebo perfeitamente o que estás a dizer, jacklyn.
Para dar um exemplo exagerado, o vigarista sabe que está a sê-lo e não por é por o saber e se confrontar com o facto que passa a ser uma pessoa séria.
No entanto a provocação também tem razão.
Pode-se perder a seriedade e todos a perdemos, mais uma vez como disse a provocação, numa qualquer situação, mas se não for recorrente não deixamos de ser sérios.

Depois há todas as mentiras que a sociedade nos "obriga" a fazer ou dizer, para sermos considerados pessoas educadas.

Esta coisa da seriedade é complicada, no entanto acho fundamental a honestidade intelectual e talvez seja essa a que mais conta.

Princesa (Des)encantada disse...

À pergunta: ser autêntica, genuina, ser ela-própria. No fundo, repito o que já foi dito acima de duas maneiras diferentes. Ter consciência de si própria, reflectir sobre o que fazemos e porque fazemos, assumir com "honestidade intelectual". No que somos de mais genuino, mesmo que estejamos mal para os outros e mesmo sabendo-o, não nos arrependemos. Pode custar-nos, mas não nos arrependemos. E tu não te arrependes. Para mim, é a verdadeira prova de seriedade.