8.9.16

Coisas

Há de novo um formigueiro dentro de mim. Não sei onde isto irá parar. Tenho fome, tenho sede, tenho ânsia. De saber, de sentir entusiasmo, de perder o sono, de ter a boca seca, de ter a cabeça a andar a mil. Quando estas coisas me acontecem, normalmente acontecem-me coisas.

6.7.15

Agora já posso dizer

Agora já posso dizer que se me esbarrasse contra ele na rua, provavelmente iria ter um daqueles momentos "câmara lenta" e ia com toda a certeza, perder o fôlego;

Agora já posso dizer que aquele ar de mau me dá um formigueiro cá dentro;

Agora já posso dizer que me sentava naquela mota e ia até ao fim do mundo;

Agora já posso dizer que quem me dera que este magnífico espécimen não fosse quem é e não vivesse onde vive e fosse, por exemplo, meu vizinho.


19.11.14

Os nomes das coisas

Jantar de fim de semana com amigos em minha casa, muita risota, anedotas, cantorias, o fim da macacada. Adultos e os meus filhos também. Segunda feira de manhã, no carro, a caminho da escola:

O mais novo: Oh mãe, o ....... é gay mas não é nada bicha, pois não?
Eu: Não. E qual é a diferença? (apetecia-me muito rir, mas contive-me)
O mais novo: Quando se é gay não se nota, mas quando se é bicha nota-se.

11.11.14

O poder das mulheres?

O poder das mulheres não está no número de fêmeas num governo, parlamento, ou presidência de um país nem no número de fêmeas presidentes de empresas multinacionais. Tão-pouco nas mulheres que se destacam em profissões tradicionalmente masculinas. Muito menos nas que queimam soutiens, cortam o cabelo à homem e fazem tatuagens de macho.

O poder das mulheres está na escolha do macho, está nas pernas que abrem para receber o sémen, está no ventre, na vida que geram dentro de si e que expulsam à força de gritos, lágrimas, suor e sangue. O poder das mulheres está nas mamas que esguicham o leite que aquece e engorda a cria. O poder das mulheres está no colo que embala e acalma o choro, está no coração que dá amor. Está na mão que dá a palmada que termina a birra e está na boca que profere “não” sempre que necessário.
 
O poder das mulheres está na educação que dão aos filhos, pois eles são o futuro e em cada geração as mulheres moldam o futuro. Esse poder é tão grande e causa tanto estrago que quando não é bem usado os resultados são trágicos. Há exceções que confirmam a regra dos traumas da infância e adolescência que resultam em adultos desequilibrados e psicóticos, mas são poucas. Um mau pai causa danos, uma má mãe - ou a ausência dela, por vezes - causa muitos mais, mais profundos e quase sempre irreversíveis.
 
O poder das mulheres está na capacidade de sacrifício e sofrimento, no peso da preocupação que conseguem carregar diariamente, na certeza absoluta que os filhos estão sempre primeiro.

As mulheres detêm o poder de moldar o mundo, de fazê-lo avançar ou retroceder. Este poder é tão imenso e tão infinito, no entanto está dentro de cada mulher, de cada mãe. É uma noção difícil de interiorizar sobretudo num mundo onde o individualismo impera, e todos achamos que somos o centro do mundo. Não somos o centro, somos apenas as peças de uma máquina, e esta noção tem tanto de grandioso como de humilde. Remete-nos simultaneamente à insignificância e à importância de uma pequena peça, fundamental para o funcionamento da máquina do mundo civilizado.

Para o bem e para o mal.

5.11.14

Doing what you were born to do

"... if she isn't a writer, maybe she shouldn't be a writer..."

Hank Moody (David Duchovny), in "Californication"