25.2.11

Descubra as diferenças

Através de uma amiga de escola descubro no Facebook o grupo da nossa escola e delicio-me a ver as fotografias da malta naquela altura. Percorro os perfis e há os que reconheço imediatamente e os que se se sentassem ao meu lado no cinema ou no café não passariam de mais um desconhecido. E divertida, vou andando e vendo, rindo com as fotos dos jogos de futebol, festas e passeios. Até que me deparo com uma fotografia de um passeio e piquenique, e temos lá escarrapachados os comentários dos que lá aparecem. E o que me chamou a atenção foram os comentários de um casal, do meu tempo, da minha idade. Eles começaram a namorar lá na escola, recordo-me perfeitamente dela chegar à escola e dele ter ficado deslumbrado com ela, a ponto de nunca mais a ter largado, a ponto de ter conseguido que ela deixasse o namorado que tinha e ter casado com ele. É aquele tipo de casal que no Facebook tem as fotografias das férias, com os dois filhos ao pé da piscina, a família perfeita, os comentários dos amigos, ai que lindos, ai que apaixonados, ai os meninos que engraçados, e por aí fora. E na puta da foto do passeio, bato com os olhos no comentário dele, este dia mudou a minha vida, foi neste dia que comecei a namorar com a mulher que está comigo hoje. E o comentário dela, foi neste dia que comecei a namorar com o meu marido lindo, graças a este dia tenho agora dois filhos lindos. Sou só eu que vejo aqui uma diferença? Sou?

8 comentários:

Bípede Falante disse...

Parece que o sexo feminino gosta mesmo é de um kit completo, oh, vida!

doce laranja amarga disse...

Há dois tipos de mulher, generalizando muito que é sempre o meu mal:
As mulheres que são mães e tudo bem
e
as mulheres que são mulheres, para além de serem ou não mães e tudo bem

jacklyn disse...

Sim, mas eu vou mais por outro sentido. Ele afirma a importância dela e ela afirma a importância dele mas ela adiciona "ao menos tenho dois filhos lindos". Posso estar a ser muito cabra, mas quando uma relação acaba ou esmorece a única coisa que não se põe em causa são os filhos que dela nasceram... Achei interessante a nuance, só isso. Ele não falou dos filhos.

doce laranja amarga disse...

Indo por aí, e tentei não ir, então ainda sou mais cabra.:)
Ele faz-lhe um elogio imenso: a vida foi mudada por conhecer a mulher que hoje vive com ele.
Ela não, só diz que ele é lindo, o que não quer dizer quase nada e só valoriza os filhos:
«...foi graças a esse dia que tenho agora dois filhos lindos»

jacklyn disse...

Precisamente. E este tipo de comentários diz-me que a intensidade não é a mesma de um lado e de outro. Mas posso estar a ler nas entrelinhas coisas inexistentes. Antes seja.

Princesa (Des)encantada disse...

Hmmm, desculpa ser do contra, mas eu li precisamento o inverso. Ele refere-se a ela como "a mulher que está comigo hoje". Soa-me brutalmente frio, puramente factual. Não é "a minha mulher", muito menos "linda" ou outro adjectivo qualquer. Ela adjectiva-o com carinho, o mesmo que dispensa às crias, e mostra ao mundo que esse dia deu frutos, os mais preciosos da vida dela. Tabém se calhar estou a ler as entrelinhas todas ao contrário. Acontece-me...

jacklyn disse...

Pode ser que seja assim Princesa, quem dera que seja assim como dizes. A minha leitura é, obviamente, condicionada pela minha vivência. Enfatizar os filhos, o fruto da relação, em deterimento da própria relação, significa normalmente que ela acabou. Pelo menos comigo foi assim. Eu já fui "aquela mulher" que fez "aquele comentário".

doce laranja amarga disse...

Ainda bem que ele não diz 'minha mulher'
A mulher não é dele, essa agora!
Isso já foi chão que deu uvas!